Modelo de Petição: Licença  - Acompanhar cônjuge - Servidor Público

AO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL  DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE      .   ATENÇÃO A presente ação contém fundamentação para servidor público federal Lei 8.1122/90 e deve ser ADAPTADA à competência e legislação específica para os casos de servidor público estadual ou municipal.   inscrito no CPF residente e domiciliado na nº na cidade de vem à presença de Vossa Excelência por seu procurador propor AÇÃO DE CONCESSÃO DE LICENÇA  em face do Instituto Previdenciário      inscrito no CNPJ sob nº CNPJ com endereço em e na pessoa de seu representante legal da procuradoria federal no endereço pelos fatos e fundamentos a seguir. DOS FATOS O Autor é indicar função junto à      e vinculado ao Regime Próprio de Previdência Social gerenciado por      Em   por atender todos os requisitos necessários o autor solicitou formalmente a Licença a que tinha direito o que lhe foi negado pelos seguintes argumentos     . Dessa forma foi obrigado a buscar judicialmente o que lhe é de direito motivando a presente demanda.

DA LICENÇA PARA ACOMPANHAR CÔNJUGE

O direito do Autor vem perfeitamente amparado no Estatuto do Servidor Lei 8.112/90 nos seguintes termos Art.  84.    Poderá ser concedida licença ao servidor para acompanhar cônjuge ou companheiro que foi deslocado para outro ponto do território nacional para o exterior ou para o exercício de mandato eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo. Para tanto junta em anexo a Prova do deslocamento do cônjuge e da condição de servidor público por meio de      b Prova da condição de cônjuge por meio de Certidão de indicar estado civil No entanto contrariamente ao disposto em lei o benefício foi negado sob o argumento de que    . Já pacificou na jurisprudência o entendimento de ser devido o benefício quando cumprido os requisitos não havendo que se falar em discricionariedade pública ADMINISTRATIVO. SERVIDOR. LICENÇA ACOMPANHAMENTO CÔNJUGE PREVISTA NO ART. 84 DA LEI 8.112/90. PREENCHIMENTO DOS REQUISITOS. CABIMENTO. PODER-DEVER POR PARTE DA ADMINISTRAÇÃO. 1. O artigo 84 do Estatuto do Servidor Público Federal tem caráter de direito subjetivo uma vez que se encontra no título específico dos direitos e vantagens não cabendo assim juízo de conveniência e oportunidade por parte da Administração . 2. Basta que o servidor comprove que seu cônjuge deslocou-se seja em função de estudo saúde trabalho inclusive na iniciativa privada ou qualquer outro motivo para que lhe seja concedido o direito à licença por motivo de afastamento de cônjuge . 3. Se a norma não distingue a forma de deslocamento do cônjuge do servidor para ensejar a licença se a pedido ou por interesse da Administração não cabe ao intérprete fazê-la. Precedentes. 4. Apelo parcialmente provido no sentido de que o período inicial da licença para acompanhar cônjuge seja fixado após o término da licença para acompanhamento de doença na família. TRF4 5007919-41.2017.4.04.7200 QUARTA TURMA Relator LUÍS ALBERTO D' AZEVEDO AURVALLE juntado aos autos em 05/04/2018 ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. LICENÇA NÃO REMUNERADA  PARA ACOMPANHAMENTO DE CÔNJUGE. DISCRICIONARIEDADE AFASTADA. ART. 84 CAPUT LEI Nº 8.112/90. REQUISITOS PREENCHIDOS. 1. O Superior Tribunal de Justiça firmou o entendimento segundo o qual a  licença  para acompanhar cônjuge é um direito assegurado ao servidor público. Isto é preenchidos os requisitos legais não há que se falar em discricionariedade da Administração Pública .   TRF4 AC 5028931-23.2017.4.04.7100 Relator a   ROGERIO FAVRETO TERCEIRA TURMA Julgado em 12/12/2017 Publicado em 13/12/2017 Portanto demonstrado o cumprimento aos requisitos legais não há que se falar em discricionariedade da Administração Pública devendo ser concedido imediatamente o benefício. DA ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA O Autor pleiteia a concessão imediata do benefício para custear a própria vida tendo em vista que não reúne condições de patrocinar seu sustento. DA PROBABILIDADE DO DIREITO Como ficou perfeitamente demonstrado o direto do Autor é caracterizada pela comprovação inequívoca do cumprimento aos requisitos legais à concessão do benefício. DO PERIGO DA DEMORA Trata-se de benefício devido e única forma de garantir a subsistência do Autor especialmente por tratar-se de verba alimentar ou seja tal circunstância confere grave risco pela demora do processo. Os requisitos exigidos para a concessão do benefício encontram-se perfeitamente demonstrados para o deferimento a medida antecipatória motivo pelo qual imperiosa a sua concessão conforme precedente jurisprudencial PREVIDENCIÁRIO. PROCESSO CIVIL. AGRAVO DE INTRUMENTO. RESTABELECIMENTO DE AUXÍLIO-DOENÇA. REQUISITOS PREENCHIDOS. TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA DEFERIDA. Evidenciados nos autos a probabilidade do direito e o perigo de dano deve ser deferida a tutela de urgência determinando-se a imediata reimplantação do benefício de auxílio-doença em favor da parte agravante. TRF4 AG 5072526-32.2017.4.04.0000 TURMA REGIONAL SUPLEMENTAR DE SC Relator CELSO KIPPER juntado aos autos em 28/05/2018 Portanto preenchidos os requisitos legais para a concessão bem como demonstrado o risco ao Autor pela sua impossibilidade de exercer alguma atividade remuneratória cabível a concessão da antecipação de tutela. DA JU STIÇA GRATUITA O Autor encontra-se atualmente      não possuindo condições de manter o seu sustento e de sua família razão pela qual não pode arcar com as despesas processuais. Para tal benefício o Requerente junta declaração de hipossuficiência e comprovante de renda os quais demonstram a inviabilidade de pagamento das custas judicias sem comprometer sua subsistência conforme clara redação do Código de Processo Civil de 2015 Art. 99. O pedido de gratuidade da justiça pode ser formulado na petição inicial na contestação na petição para ingresso de terceiro no processo ou em recurso. § 1 o Se superveniente à primeira manifestação da parte na instância o pedido poderá ser formulado por petição simples nos autos do próprio processo e não suspenderá seu curso. § 2o O juiz somente poderá indeferir o pedido se houver nos autos elementos que evidenciem a falta dos pressupostos legais para a concessão de gratuidade devendo antes de indeferir o pedido determinar à parte a comprovação do preenchimento dos referidos pressupostos. § 3 o Presume-se verdadeira a alegação de insuficiência deduzida exclusivamente por pessoa natural. Assim por simples petição sem outras provas exigíveis por lei faz jus o Requerente ao benefício da gratuidade de justiça PROCESSUAL CIVIL. IMPUGNAÇÃO À ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. DECLARAÇÃO DE HIPOSSUFICIÊNCIA. AUSÊNCIA DE PROVA EM CONTRÁRIO. 1.O direito ao benefício da assistência judiciária gratuita não é apenas para o miserável e pode ser requerido por aquele que não tem condições de pagar as custas processuais e honorários advocatícios sem prejuízo de seu sustento e de sua família. Precedentes. 2.O escopo da gratuidade de justiça é assegurar a todos o acesso ao Judiciário conferindo eficácia aos comandos constitucionais insculpidos nos incisosXXXVeLXXIVdo art.5ºdaCarta da Republica. 3.Ao impugnante incumbe o ônus de provar cabalmente a inexistência dos requisitos autorizadores à concessão do benefício da assistência judiciária gratuita. 4. Inexistindo prova de que a despeito da parte impugnada atuar no ramo de paisagismo aufira renda suficiente para arcar com o pagamento das custas e despesas do processo sem o comprometimento de seu próprio sustento tem-se por correta a rejeição da Impugnação à Assistência Judiciária . 5.Apelação Cível conhecida e não provida. APC 20140111258250 Orgão Julgador1ª Turma Cível DJE 23/02/2016 . Relator NÍDIA CORRÊA LIMA A existência de patrimônio imobilizado no qual vive a sua família não pode ser parâmetro ao indeferimento do pedido APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. IMPUGNAÇÃO AO PEDIDO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA. AJG. NECESSIDADE. A existência de patrimônio imobilizado em nome do postulante não é motivo para indeferimento do benefício quando comprovado não dispor de recursos líquidos e que sua renda é compatível à concessão e o impugnante não faz prova adversa. - Circunstância dos autos em que se impõe manter a decisão recorrida. RECURSO DESPROVIDO. Apelação Cível Nº 70070511886 Décima Oitava Câmara Cível Tribunal de Justiça do RS Relator João Moreno Pomar Julgado em 25/08/2016 . Assim considerando a demonstração inequívoca da necessidade do Requerente tem-se por comprovada sua miserabilidade fazendo jus ao benefício. Por tais razões com fulcro no artigo 5º LXXIV da Constituição Federal e pelo artigo 98 do CPC requer seja deferida a gratuidade de justiça ao requerente. DOS PEDIDOS Diante de todo o exposto REQUER a Vossa Excelência A concessão do benefício da Justiça Gratuita por ser o Autor pobre na acepção legal do termo nos termos do art. 98 do Código de Processo Civil Que seja deferida a antecipação dos efeitos da tutela para determinar a concessão imediata da Licença requerida A citação do Réu para querendo responder a presente ação Ao final seja julgado totalmente procedente o pedido para 5.1 Condenar a ré para conceder a LICENÇA requerida a partir da data do requerimento uma vez que comprovado o atendimento aos requisitos legais bem como sejam abonadas as faltas anotadas no prontuário do Autor 6. A produção de todos os meios de prova principalmente a pericial cujos quesitos serão apresentados oportunamente 7. Manifesta o        na audiência conciliatória nos termos do Art. 319 inc. VII do CPC Dá-se à causa o valor R$ . Nestes Termos Pede Deferimento OAB/ Anexos    
ATENÇÃO: Certifique-se sempre da vigência dos artigos legais referidos - a alteração de um dispositivo legal pode alterar embasamentos, suportes fáticos e prazos, podendo comprometer sua atuação.

Comentários